Reportagens

Acompanhe a trajetória do artista

Rio das Flores: cenários cinematográficos e coleção imperial

SP - Rio das Flores: 398 km

12/07/2016 | 04h50

Bruna Toni - O Estado de S. Paulo

 

 

Os visitantes do Vale do Café, no Sul do Estado do Rio de Janeiro, são atraídos pela natureza fascinante, pelo contato com a história imperial, pela gastronomia e pela hospitalidade dos proprietários das fazendas históricas, dos hotéis, restaurantes e de Riqueza histórica na Fazenda União.

Capela da Fazenda União / Foto: Cida Alves

 

O Jornal Estadão publicou uma reportagem sobre algumas Fazendas localizadas em Rio Das Flores, dentre elas a Fazenda União, onde se encontra belíssimos trabalhos do Artista Jeronimo Magalhães. Rio das Flores: cenários cinematográficos e coleção imperial SP - Rio das Flores: 398 km 12/07/2016 | 04h50 0 Bruna Toni - O Estado de S. Paulo "A senzala deu lugar a uma sala dedicada à memória africana no Brasil. Sem aviso, entrei no local, escuro, atraída pela curiosidade. Tamanho foi o susto ao ver um homem negro de meia idade sentado no chão de terra, com as veias dos pés sobressaltadas e expressão de sofrimento. Precisei de alguns segundos para entender que se tratava de uma escultura de resina. O susto passou – o incômodo, não. Jeronimo Magalhães é o autor das esculturas que retratam as situações a que eram submetidos os escravos." http://viagem.estadao.com.br/noticias/geral,rio-das-flores,10000062197
A Revista Vale do Café, em sua 2º edição, nas páginas 24 a 28, traz uma reportagem sobre a Fazenda União. Nessa reportagem além de apresentar a beleza da fazenda, mostra o talento das obras do Artista Jeronimo Magalhães. Trechos da reportagem: " Jeronimo Magalhães, o artista da Fazenda União e do Vale co Café. Uma capela construída em 2010 com todas as características do século XIX, de forma impecável. Um museu, dentro da senzala com esculturas de escravos em resina, fibra de vidro e acrílico que levaram cerca de 2 anos para serem finalizados.Tudo isso através das mãos talentosas de Jeronimo Magalhães, o artista que cria e restaura a arte que a Fazenda possui"
NO LAR DOS BARÕES A 130 km da capital fluminense, o Vale do Café contempla 15 cidades e inúmeras fazendas centenárias que exibem a suntuosa arquitetura neoclássica e convidam a conhecer os costumes da nobreza brasileira da época do “ouro verde” Por Bárbara Ferreira Santos Fotos Andrea D’Amato
Paisagem verde constante, num so-be e desce típico de serra, já foi quase totalmente dominada por uma única vegetação: pés de café. Uma sequência sem-fim de arbustos, alcançando 15 municípios no Sul do Estado do Rio de Janeiro que, nos idos de 1860, davam cerca de 75% de todo o “ouro verde” consumido no mundo – e praticamente sustentavam a economia nacional. Hoje, porém, pouco dessa plantação é encontrado na região, ainda conhecida pelo nome que ganhou em seu período áureo: Vale do Café.


No dia 27 de fevereiro de 2016 o Artista Jeronimo Magalhaes esteve presente na Fazenda União na Cidade de Rio das Flores, fazenda esta onde tem vários trabalhos do Artista. Esse encontro foi para apresentar as Fazendas do Vale do Paraíba aos Jornalistas do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais. Região do Vale do Café sedia 'Tour da Experiência Caminhos do Brasil' Confira o vídeo

Petrópolis

O Hotel Fazenda Florença, em Conservatória, RJ, vai expor, durante o Festival Vale do Café, essas esculturas de D. Pedro II e da imperatriz Teresa Cristina (foto). É para celebrar os 190 anos de nascimento do imperador. As esculturas foram feitas pelo artista Jerônimo Magalhães, de Barra do Piraí.

Saiba Mais